Som de fundo

“Som de fundo,
Barulho profundo,
Agradável confusão,
Neste preenchido mundo.”

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under inner rhythm

A Ponte

“Uma ponte recente
Sem rio, sem gente.
Parece abandonada,
Ninguém comenta a sua chegada.
Continua a ser passagem.
Tudo ocorre à sua margem.
Assim consigo entender
a razão de se fazer…
Existe uma ponte recente,
ligação permanente.”

Deixe um comentário

Filed under inner rhythm

Black Beauty

“Gliding through paper like a ghost
I leave a dark imprint
Wherever I am told to.
Black, the color of my marking
Beauty, what I leave behind
Words flowing like a black mane
Against the wind of change
Time, my prime rival
Constantly working against me
Ultimately and indubitably
Running out, fading
To be tossed away
For another to take my place
The endless cycle of a life,
A pen’s life.”

Ghizlane Damdami

Deixe um comentário

Filed under inner rhythm

MuDança

Por vezes basta um grito. Um forte e bem intencionado grito na parte mais ‘interior’ do Ser. Despertem-se emoções, incentive-se a motivação, busquem-se sentidos, faça-se algo… Interajam com as energias. Por vezes basta uma simples acção para compreendermos a beleza da simetria entre complexidade e simplicidade, na vida. Por vezes basta um pequeno momento para se vislumbrar aquilo que palavras ou gestos não conseguem descrever. O movimento descreve a pureza da criação. A mudança é infinita e perspicaz… O grito acompanha.

Deixe um comentário

Filed under inner rhythm

No matter what

Anytime stands for the perfect timing for whatever is about to happen.

Deixe um comentário

Filed under inner rhythm

Time Sampling

Sampling plays with different perceptions of time. Sampling allows people to replay their own memories of the sounds and situations of their lives. Who controls the environment you grew up in? Who controls the situation with which you engage? At the end of the day, it’s all about reprocessing the world around you, and this will happen no matter how hard entertainment conglomerates and an older generation of artists tries to control these processes. We’re in a delirium of saturation. We’re never going to remember anything exactly the way it happened. Memories become ever more fragmented and subjective. Do you want to have a bored delirium or a more exciting one?

Paul D. Miller

Deixe um comentário

Filed under inner rhythm

Química ocasional

E se um dia, ao caminhar por uma qualquer rua, alguém te parasse e abordasse com a seguinte frase: “Hey, eu sou a tua alma gémea. Eu sei disso.”, acreditarias? Pode parecer absurdo, pode apresentar-se como improvável, mas é uma situação perfeitamente plausível. Teremos nós maneira de duvidar, ou até mesmo de provar o contrário, sem recorrer à intuição, à consciência ou ao sentimento?

1 Comentário

Filed under inner rhythm